país

O Brasil está de cabeça pra baixo e a gente, como ser feliz neste emaranhado que virou o país?

Aliás, amanhã, 07 de setembro, é aniversário deste que há muito tempo sangra. A ferida não diminui e o sofrimento do povo só aumenta. Conheço gente que está quase entrando em depressão por conta de tanta sujeirada, tanta roubalheira. Quanto mais se mexe, mais lama sai…e não tem fim. Há quem queira sair do país, como um grito de S O C O R R O,  como um “salve-se quem puder”. Mas e quem fica, como fica?

Eu escolhi não viver a crise. É lógico que não se pode dar as costas e fingir que nada está acontecendo. Não podemos ser alienados. Afinal, toda essa “bagunça” na economia e política do Brasil afeta de uma forma ou de outra, a vida de cada um.

Não sei viver reclamando e nem quero. Portanto, mantenho um olho na “farra dos políticos” e na “caca” que eles fizeram e continuam fazendo, mas o meu outro olho segue em frente, com confiança e esperança não neles, mas no meu trabalho, na minha honestidade, na minha alegria e na minha compaixão com os menos favorecidos.

Apesar dos pesares, eu não consigo me sentir triste, muito pelo contrário. Tenho uma família linda, trabalho com o que amo, consigo dividir meu tempo entre vários projetos (grupo de empresários, de oração, de voluntariado, de gestão do condomínio, de estudo em Empreendedorismo Digital etc), consigo cuidar dos meus filhos e ainda fazer um pouquinho de atividade física…essa precisava ser maior, mas nem tudo é perfeito, vai kkkkkk

O segredo?

Ser positiva perante os desafios da vida. Ser uma otimista boba, mas uma otimista. Esperar mais de mim, do que de qualquer outra pessoa ou instituição. Além disso, aos 40 (hoje 41), tomei uma decisão importante, fiquei ainda mais seletiva na convivência com as pessoas. Hoje evito ao máximo quem não me faz bem…Sempre fui muito educada, muito gentil…acho que continuo sendo (pelo menos tento rs rs), mas tem gente que confunde “boazinha” com “bobinha”. Depois de tomar muita rasteira e muita ofensa desnecessária, resolvi eliminar certas pessoas da minha vida, o que me fez muito bem.

Além disso tudo, evito ao máximo o inevitável, conflitos. Logicamente, conflitos existem, mas nunca provocados por mim e quando me encontro no meio deles, utilizo uma das competências comportamentais que acredito ser a mais importante hoje em dia, a Inteligência Emocional. Fico tranquila, respiro e tento ponderar o que vale a pena falar e o que não vale, o que depende de quem está na situação. Querer ganhar uma briga é uma das escolhas mais estúpidas que existem. Deixar o outro ganhar ou achar que está ganhando é bem mais inteligente, e aí você ganha a sua paz.

Marcela, mas como você consegue isso? É muito difícil.

Sim, é muito difícil e me levou bons anos ou décadas para chegar a este ponto. Já briguei muito, já xinguei bastante e já tive uma opinião muito forte, mas isso, até os meus vinte e poucos anos, acho que natural da idade. Depois, a gente vai amadurecendo, aprendendo um pouco mais sobre a vida e percebendo a melhor forma de viver, conviver e até de se blindar. Aprendi muito com o meu marido…perito em sorrir e dar um joia, por mais besteira que a pessoa fale.

Este é o meu segredo…ser otimista, alto-astral e bem-humorada. Adoro rezar (meio beata mesmo rs), sorrir e ajudar as pessoas. Como diz a jornalista mineira Leila Ferreira, a gente está nesta vida pra ser legal…mas tomei a decisão de não conviver com quem não é legal comigo, o que foi ótimo para o meu bem-estar e saúde. Tem gente que simplesmente não faz nenhuma falta e não merece a nossa atenção (não considero isso rancor, mas sabedoria e blindagem mesmo, a gente não muda as pessoas). Faço trabalhos voluntários e carrego meus filhos comigo como forma de educá-los… acho muito gostoso doar tempo, amor e carinho a quem precisa. E quem não precisa disso, não é? Enfim, adoro viver, procuro ver o lado bom das coisas, tento ser feliz e fazer as pessoas felizes.

Pra quem acha que isso não tem nada a ver com trabalho, motivação deste blog, a gente é um só, mesmo tentando se dividir em vários.

Então, bora ser feliz?

6 de setembro de 2017
a 2

Bora ser feliz?

O Brasil está de cabeça pra baixo e a gente, como ser feliz neste emaranhado que virou o país?
2 de agosto de 2017
B 1

E a sua ética?

Será que alguém ainda acredita em algum político?